English is Cool

domingo, dezembro 30

Happy New Year

Receita de Ano Novo
Carlos Drummond de Andrade

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens? passa telegramas?).
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.

A New Year Recipe
Carlos Drummond de Andrade

For you to get a beautiful New Year
the colours of the rainbow, or the colour of your peace,
a New Year unsuitable for comparing to all the time gone by
(gone by in a bad way or perhaps purposelessly)
for you to get a year

not only painted new, mended swiftly,
otherwise new in its seeds and its to-bes,
new even in the core of those less noticed little things
(starting with your inner being)
spontaneously new, whose perfection goes unnoticed,
however suitable for eating, for strolling along,
for loving, for understanding, for working,
you don’t have to drink champagne or any other spirits,
no need to send nor receive messages
(does a plant get any messages? send any cables?).
You don’t have to write an intentions list
that you’d soon file in a drawer.
No need to cry in repentance
for any betises made

nor believe dumbly
that just as ruled by hope
things may change from January on
and everything may become clear, rewardable,
that fairness among men and nations just springs,
that freedom smelling and tasting like breakfast rolls pops up,
that rights will be respected, starting with
the august right for living.
To get a new-year
that's worth its name, you, my dear, have to deserve it,
you ought to make it new, I know it’s not easy,
anyway just try it, try it on, aware of trying.
It’s within you that the New Year sleeps and awaits ever since.

domingo, dezembro 23

Pablo Neruda's

É Proibido...
É proibido chorar sem aprender,
levantar-se um dia sem saber o que fazer,
ter medo de suas lembranças.
É proibido não rir dos problemas,
não lutar pelo que se quer,
abandonar tudo por medo,
não transformar sonhos em realidade.
É proibido não demonstrar amor,
fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.
É proibido deixar os amigos,
não tentar compreender o que viveram juntos,
chamá-los somente quando necessita deles.
É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
fingir que elas não te importam,
ser gentil só para que se lembrem de você,
esquecer aqueles que gostam de você.
É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
não crer em Deus e fazer seu destino,
ter medo da vida e de seus compromissos,
não viver cada dia como se fosse um último suspiro.
É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,
esquecer seus olhos, seu sorriso,
só porque seus caminhos se desencontraram,
esquecer seu passado e apagá-lo com seu presente.
É proibido não tentar compreender as pessoas,
pensar que as vidas delas valem mais que a sua,
não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.
É proibido não criar sua história,
deixar de dar graças a Deus por sua vida,
não ter um momento para quem necessita de você,
não compreender que o que a vida te dá, também te tira.
É proibido não buscar a felicidade,
não viver sua vida com uma atitude positiva,
não pensar que podemos ser melhores,
não sentir que sem você este mundo não seria igual.
It’s forbidden...
It’s forbidden to weep without learning,
to get up one day without knowing what to do,
to be afraid of your memories.
It’s forbidden not to laugh of your problems,
not to reach out for what you crave,
to give everything up for fear,
not to make dreams come true.
It’s forbidden not to show your love,
to hold anyone responsible for your doubts and bad-mood.
It’s forbidden to leave your friends,
not to try and understand whatever you have lived together,
to call them just when you need them.
It’s forbidden not to be your very self before other people,
to pretend they don’t matter for you,
to be gentle just for being remembered,
to forget those who like you.
It’s forbidden not to do things for yourself,
not to believe in God nor make your own destiny,
to fear life and life’s commitments,
not to live each day as if it were the last breath.
It’s forbidden to long for someone without rejoicing for it,
to forget their eyes and their smile
just because your paths have shifted away,
to forget your past erasing it with the present.
It’s forbidden not to try and understand your fellow people,
to deem that their lives worth less than yours,
not to acknowledge that each and every one has got
their own way and their own fortune.
It’s forbidden not to create your own history,
not to thank God for your life,
not to spare a moment for whoever needs you,
not to understand that what life gives you it also takes away.
It’s forbidden not to pursue happiness,
not to have a positive attitude towards your life,
not to think that we can be better ones,
not to feel that without you this world wouldn’t be the same.

sábado, dezembro 22

Vale a pena ler de novo

It was Christmas and I was 9 years old. A wealthy old lady
who was a friend of the family used to give us children
rather expensive presents. Two days before Christmas Eve
her servant arrived with the gifts, which together with the
other packets were placed in a large laundry basket under
the stairs up to the attic. I saw at once that one of the
packets (big and angular, wrapped in strong brown paper)
contained a film projector. I nearly fainted with joy. For
several years I had wished for a projector; now the dream
was to come true. I went about in a trance, unable either to
sleep or eat.The great moment turned out to be a terrible
disappointment. The film projector went to my brother, who
was 4 years older than me; I was given a bear that could
growl. My grief was agonizing. My brother, who had never
shown the slightest interest in cinematic art and was
moreover a clever businessman, seized the opportunity. He
sold me the apparatus at a price of two hundred tin soldiers,
that is to say, my entire army. Two days later he declared
war and invaded my country, defeating the few gallantly
fighting troops that were left, despite our agreement that
no war was to break out until I had a chance of building up
a new armed force. I fled into the nursery's dark and spacious
closet with my "cinematograph", as the toy was called.
Although simple it was a fine little machine, but more
dangerous than a bomb. It consisted of two spools for sixty
metres of 35-mm film, a steady feeding mechanism (Maltese
cross and crank), a sector and a fairly large lens in shining
brass. The lamp-house was of black lacquered tinplate with a
reflex mirror, paraffin lamp and a backward curved chimney. In
addition there was a holder for slides. A blue box (with a pretty
picture on the lid of a young man in a sailor suit showing
moving pictures of fighting lions to an impressed family)
contained a film loop about 4 metres long, an everlasting film.
The loop was brown and had a pungent, rather sweet smell;
like all film at that time it was made on a nitrate base and
was frightfully inflammable. Nitrate film, paraffin lamp, dusty
closet, a nine-year-old projectionist - no grown-up knew just
how dangerous the whole thing was. During the next few
years I spent all my pocket-money and savings on film. I must
have kept thousands of metres of film in the closet, where I
established my cinema in the flickering light of the paraffin
lamp. The fact that the family and the old rectory survived
must be put down to the constant vigilance of guardian angels.
Sometimes I have wondered at the child's wild and
inexplicable excitement. It was all a mechanical process. A
little machine which rattled loudly as it fed in sixteen frames
a second. If I cranked frame by frame nothing, or almost
nothing, happened - the frames hardly changed. If I went faster,
movement was born. The shadows acted, the faces turned
towards me, eyes opened, lips formed inaudible words. The
darkness, the rattling, the smells, the lighted rectangle on the
wall... I made up stories about the small, mysterious figures,
they sent out magic signals, they took part in my dreams. I
remember these pictures with a clarity and focus which they no
doubt lacked in reality. The rectangle of light in the dark, the
shadows' unceasing movements controlled by me.
Unaccountable courses of events, secret relations that
extended far into the boundless twilight land of dreams.
Hypnosis and magic - the nine-year-old touched the little finger
of a giant's invisible hand. Today, fifty-five years later, in the
murk of the cutting room I can feel the same excitement, the
same tension, in the presence of the endless and the unexplored.

By Ingmar Bergman in 25 July 1981

Era o Natal e eu tinha 9 anos. Uma amiga rica de minha família
sempre dava uns presentes caros para nós, as crianças. Dois
dias antes da véspera seu motorista chegou com os pacotes que
foram colocados junto com os outros num grande cesto de roupa
embaixo da escada do sotão. Eu pude logo ver que um dos
pacotes (grande e anguloso, embrulhado com grosso papel
marrom) era de um projetor de filmes. Quase desmaiei de
alegria. Eu desejava ter um projetor havia muitos anos, agora
o sonho ia se realizar. Entrei em transe, não conseguia dormir
nem comer. Mas o grande momento virou foi numa grande
decepção. O projetor era para meu irmão que era 4 anos mais
velho, eu ganhei um ursinho de pelúcia que sabia rosnar. Fiquei
terrivelmente triste. O meu irmão, que jamais demostrara o
menor interesse pelo cinema e era antes de tudo bom de
negócios, agarrou a oportunidade. Ele me vendeu o aparato
pelo preço de 200 soldadinhos de chumbo, praticamente meu
exército inteiro. Dois dias depois ele declarou guerra e invadiu
meu território derrotando as poucas e valentes tropas que ainda
restavam, isto tudo apesar de nosso acordo de que não haveria
guerra até que eu pudesse ter uma chance de recompor minhas
forças armadas. Eu fugi pro armário escuro e espaçoso que tinha
no quarto de brincar com o "cinematógrafo", que era assim que
meu brinquedo era chamado. Apesar de simples era uma boa
maquininha, porém mais perigosa que uma bomba. Consistia
em dois rolos para 60 metros de filme de 35 mm, um mecanismo
de alimentação (cruz de Malta e manivela), um setor de círculo
e uma grande lente de latão polido. A caixa de lâmpada era de
estanho laqueado em preto com um espelho refletor, uma
lâmpada de querosene e uma chaminé virada para trás. Havia
também um porta-slides. Era uma caixa azul (na tampa tinha
uma gravura bonita de um jovem marinheiro projetando cenas
de leões lutando para uma família muito impressionada) que
continha um rolo de filme de 4 metros, isto é, enorme. O rolo
era marrom e tinha um cheiro forte, meio adocicado; e como
todo filme daquela época era feito com nitrato, portanto,
assustadoramente inflamável. Filme de nitrato, lâmpada de
querosene, caixa de pó, um projecionista de 9 anos - nenhum
adulto tinha noção do quão perigoso era tudo aquilo realmente.
Durante os anos que se seguiram gastei minhas mesadas e
economias em filmes. Devo ter guardado milhares de metros
de filme no armário onde instalei meu cinema que tremeluzia
à luz do querosene. O fato de minha família e nossa velha
casa terem sobrevivido é obra e graça da constante vigilância
dos anjos da guarda. Às vezes eu fico pensando naquela
excitação inexplicável da infância. Era apenas um processo
mecânico. Uma maquininha que fazia muito barulho enquanto
projetava 16 quadros por segundo. Se eu mexesse a manivela
quadro a quadro não acontecia nada, ou quase nada - os quadros
mudavam muito pouco. Se eu fosse mais rápido, nascia o
movimento. As sombras entravam em ação, os rostos viravam
para mim, olhos abriam, lábios formavam palavras inaudíveis. O
escuro, o barulho, os cheiros, o retângulo iluminado na parede...
Eu inventava estórias e mais estórias sobre aquelas figurinhas
misteriosas, elas me enviavam sinais mágicos e fizeram parte
dos meus sonhos. Lembro-me hoje destes filmes com uma
clareza e uma nitidez que, sem a menor dúvida, não existiram
na realidade. O retângulo de luz no escuro, o incessante
movimento das sombras controlado por mim. Foram
acontecimentos incontáveis, relações secretas que penetraram
no crepúsculo do campo ilimitado dos sonhos. Hipnose e
magia - o menino de 9 anos tocou no dedinho da mão de um
gigante invisível. Hoje, 55 anos depois, na penúmbra da sala
de montagem eu ainda sinto a mesma excitação, a mesma
tensão perante o sem fim e o inexplorado.

Ingmar Bergman em 25 de julho 1981

terça-feira, dezembro 18

Carlos Drummond de Andrade's

In the middle of the road

In the middle of the road there was a stone
There was a stone in the middle of the road
there was a stone
in the middle of the road there was a stone.
Never should I forget this event
in the life of my fatigued retinas.
Never should I forget that in the middle of the road
there was a stone
there was a stone in the middle of the road
in the middle of the road there was a stone.

Translated by Elizabeth Bishop who said:
I came across this poem recently because a colleague
recommended it to me. It sounds beautiful in the original
Portuguese, much better than the English version, says
my Brazilian friend. Since the English version is the only
one I understand, who am I to argue?
The poem is simplicity itself. I choose to think that it
symbolizes an event that altered the course of the poet's
life, but that's just me.

No meio do caminho

No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.
Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.

domingo, dezembro 16


An eighty year old lady was being interviewed
by the local news station because she had just
got married - for the fourth time.

The interviewer asked her questions about her life,
about what it felt like to be marrying again at 80,
and then about her new husband's occupation.

"He's a funeral director", she answered.
"Interesting", the newsman thought.

He then asked her if she wouldn't mind telling him
a little bit about her first three husbands and what
they did for a living. She paused for a few moments,
needing time to reflect on all those years. After a short
time, a smile came upon her face and she answered
proudly, explaining that she had first married a banker
when she was in her early 20's, then a circus ringmaster
when in her 40's, later on a preacher when in her 60's,
and now in her 80's, a funeral director.

The interviewer looked at her, quite astonished, and
asked her why she had married four men with such
diverse careers.

She smiled and explained...

"I married one for the money, two for the show,
three to get ready, and four to go."

quinta-feira, dezembro 13

A song... a poem

o amor

talvez, quem sabe, um dia
por uma alameda do zoológico
ela também chegará
ela que também amava os animais
entrará sorridente assim como está
na foto sobre a mesa
ela é tão bonita
ela é tão bonita
que na certa eles a ressuscitarão
o século trinta vencerá
o coração destroçado já
pelas mesquinharias
agora vamos alcançar tudo
o que não podemos amar na vida
com o estrelar das noites inumeráveis
ainda que mais não seja
porque sou poeta
e ansiava o futuro
lutando contra as misérias do quotidiano
ressuscita-me por isso
quero acabar de viver o que me cabe
minha vida, para que não mais existam amores servis
para que a partir de hoje
a partir de hoje
a família se transforme
e o pai seja pelo menos o universo
e a mãe seja no mínimo a terra
a terra
Este é um de meus poemas favoritos!
Gal Costa gravou, Caetano Veloso musicou
com base em poema de Vladimir Maiakovski.
Tenho procurado o poema traduzido para o inglês
ou o francês, mas não encontro. Será que alguém
tem em casa, num livro?
Agradeço imenso se enviar para mim!
This is one of my favourite poems ever!
Gal Costa sings it and Caetano Veloso has created
the song based on a poem by Vladimir Mayakovsky.
I've been searching for a translation into English or
French unsuccessfully. Has anybody out there got it
in a book at home?
I'll be most grateful if you send it to me!

segunda-feira, dezembro 10

Human Rights

Um Mundo, Uma Vida

Este é o lema da blogagem coletiva pelos Direitos Humanos
que está acontecendo hoje. O que é um lema? De acordo com
uma de suas definições é uma breve citação ao início de um
trabalho literário tal como um livro, um capítulo dele, ou um
poema, que tenha alguma relação com o trabalho. Por isso, o
lema aqui é totalmente significativo e já diz tudo.

Apenas para ilustrar a concepção desta idéia que estamos
a publicar hoje, temos abaixo algumas palavras de Einstein.

O ser humano é parte de um todo que chamamos de
“Universo”, uma parte limitada no tempo e no espaço.
Ele experiencia a si mesmo, seus pensamentos e
sentimentos, como algo separado do resto - uma
espécie de ilusão de ótica de sua consciência. Essa
ilusão é uma forma de prisão para nós, restringindo-nos
a nossos desejos pessoais e à afeição por umas poucas
pessoas próximas. Nossa tarefa deve ser a de nos libertar
dessa prisão alargando nossos círculos de compaixão para
envolver todas as criaturas vivas e o todo da natureza em
sua beleza. Ninguém é capaz de completar esta tarefa,
porém o empenho em fazê-lo é por si só parte da libertação
e constitui as bases da segurança interna.

One World, One Life

This is the motto for the Human Rights collective blogging
which is being held today. What's a motto? Well, according
to one of its definitions it's a short quotation at the beginning
of a piece of writing such as a book, a chapter of a book, or a
poem, related in some way to its contents. Therefore, the
motto here is absolutely meaningful and says it all.

Just in order to illustrate this idea that we are
publishing today, I'll now quote Albert Einstein.

A human being is a part of the whole, called by us the
"Universe", a part limited in time and space. He experiences
himself, his thoughts and feelings, as something separate
from the rest — a kind of optical delusion of his
consciousness. This delusion is a kind of prison for us,
restricting us to our personal desires and to affection for
a few persons nearest to us. Our task must be to free
ourselves from this prison by widening our circle of
compassion to embrace all living creatures and the whole
of nature in its beauty. Nobody is able to achieve this
completely, but the striving for such achievement is in
itself a part of the liberation and a foundation for inner

domingo, dezembro 9

Bob Dylan's

Blowing in the wind

How many roads must a man walk down
Before they call him a man
How many seas must a white dove sail
Before she sleeps in the sand
How many times must the cannon balls fly
Before they're forever banned
The answer, my friend, is blowing in the wind
The answer is blowing in the wind
How many years must a mountain exist
Before it is washed to the sea
How many years can some people exist
Before they're allowed to be free
How many times can a man turn his head
And pretend that he just doesn't see
The answer, my friend, is blowing in the wind
The answer is blowing in the wind
How many times must a man look up
Before he can see the sky
How many ears must one man have
Before he can hear people cry
How many deaths will it take 'til he knows
That too many people have died
The answer, my friend, is blowing in the wind
The answer is blowing in the wind
The answer is blowing in the wind

sábado, dezembro 8

An interview

Chegou-me por e-mail, penso que vale compartilhar.

Rita Levi Montalcini, que tem 98 anos, recebeu o
Prêmio Nobel de Medicina há 21 anos, quando tinha 77.
Ela nasceu em Turín, Itália em 1909 e obteve o titulo de

Medicina na especialidade de Neurocirurgia.

Por causa de sua ascendência judia se viu obrigada a deixar
a Itália um pouco antes do começo da II Guerra Mundial.
Emigrou para os Estados Unidos onde trabalhou no
Laboratório Victor Hamburger do Instituto de Zoologia da
Universidade de Washington de Saint Louis.
Seus trabalhos junto com Stanley Cohen serviram para
descobrir que as células solo começam a se reproduzir
quando recebem a ordem para isso, ordem que é transmitida
por substâncias chamadas fatores do crescimento.

Recebeu o Prêmio Nobel de Fisiologia no ano 1986,
que compartilhou com Stanley Cohen.

- Como vai celebrar seus 100 anos?
- Ah, não sei se viverei até lá, e, além disso, não gosto
de celebrações. O que me interessa e eu gosto é do que
faço cada dia!
- E o que você faz?
- Trabalho para dar uma bolsa de estudos para as meninas
africanas para que estudem e prosperem... elas e seus países.
E continuo investigando, continuo pensando.
- Não vai se aposentar?
- Jamais! Aposentar-se é destruir cérebros! Muita gente se
aposenta e se abandona... E isso mata seu cérebro. E adoece.
- E como está seu cérebro?
- Igual quando tinha 20 anos! Não noto diferença em ilusões
nem em capacidade. Amanhã vôo para um congresso médico.
- Mas terá algum limite genético?
- Não. Meu cérebro vai ter um século... mas não conhece a
senilidade. O corpo se enruga, não posso evitar, mas não o cérebro!
- Como você faz isso?
- Possuímos grande plasticidade neural: ainda quando morrem
neurônios, os que restam se reorganizam para manter as mesmas
funções, mas para isso é conveniente estimulá-los!
- Ajude-me a fazê-lo.
- Mantenha seu cérebro com ilusões, ativo, faça ele trabalhar
e assim ele nunca vai se degenerar.
- E viverei mais anos?
- Viverá melhor os anos que viver, é isso o interessante.
A chave é manter curiosidades, empenho, ter paixões....
- A sua paixão foi a investigação cientifica...
- Sim e segue sendo
- Descobriu como crescem e se renovam as células do
sistema nervoso...
- Sim, em 1942: dei o nome de Nerve Growth Factor
(NGF, fator do crescimento nervoso), e durante quase
meio século houve dúvidas, até que foi reconhecida sua
validade e em 1986, me deram o prêmio por isso.
- Como foi que uma garota italiana dos anos vinte
converteu-se em neurocientista?
- Desde menina tive o empenho de estudar. Meu pai
queria me casar bem, que fosse uma boa esposa, boa mãe...
E eu não quis. Fui firme e confessei que queria estudar.
- Seu pai ficou magoado?
- Sim, mas eu não tive uma infância feliz: sentia-me feia,
tonta e pouca coisa... Meus irmãos maiores eram muito
brilhantes e eu me sentia tão inferior...
- Vejo que isso foi um estímulo...
- Meu estimulo foi também o exemplo do médico Albert
Schweitzer, que estava em África para ajudar com a lepra.
Desejava ajudar aos que sofrem, isso é meu grande sonho.
- E você tem feito... com sua ciência.
- E, hoje, ajudando as meninas da África para que estudem.
Lutamos contra a enfermidade, a opressão da mulher nos
paises islâmicos por exemplo, além de outras coisas...!
- A religião freia o desenvolvimento cognitivo?
- A religião marginaliza muitas vezes a mulher perante o homem,
afastando-a do desenvolvimento cognitivo, mas algumas religiões
estão tentando corrigir essa posição.
- Existem diferenças entre os cérebros do homem e da mulher?
- Só nas funções cerebrais relacionadas com as emoções,
vinculadas ao sistema endócrino. Mas quanto às funções
cognitivas, não tem diferença alguma.
- Por que ainda existem poucas cientistas?
- Não é assim! Muitos descobrimentos científicos atribuídos
a homens, realmente foram feitos por suas irmãs, esposas e filhas.
- É verdade?
- A inteligência feminina não era admitida e era deixada na sombra.
Hoje, felizmente, tem mais mulheres que homens na investigação
cientifica: as herdeiras de Hipatia!
- A sábia Alexandrina do século IV...
- Já não vamos acabar assassinadas nas ruas pelos monges
cristãos misóginos, como ela. Claro, o mundo tem melhorado...
- Ninguém tem tentado assassinar a você...
- Durante o fascismo, Mussolini quis imitar Hitler na
perseguição dos judeus..., e tive que me ocultar por um tempo.
Mas não deixei de investigar: tinha meu laboratório em meu quarto...
E descobri a apoptose, que é a morte programada das células!
- Por que tem uma alta porcentagem de judeus entre cientistas
e intelectuais?
- A exclusão estimula entre os judeus os trabalhos intelectivos e intelectuais: podem proibir tudo, mas não que pensem!
E é verdade que tem muitos judeus entre os prêmios Nobel...
- Como você explica a loucura nazista?
- Hitler e Mussolini souberam como falar ao povo, onde
sempre prevalece o cérebro emocional por cima do neocortical,
o intelectual. Conduziram emoções, não razões!
- Isto está acontecendo agora?
- Porque você acha que em muitas escolas nos Estados
Unidos é ensinado o creacionismo e não o evolucionismo?
- A ideologia é emoção, é sem razão?
- A razão é filha da imperfeição. Nos invertebrados tudo
está programado: são perfeitos. Nós não. E, ao sermos
imperfeitos, temos recorrido à razão, aos valores éticos:
discernir entre o bem e o mal é o mais alto grau da
evolução darwiniana!
- Você nunca se casou ou teve filhos?
- Não. Entrei no campo do sistema nervoso e fiquei tão
fascinada pela sua beleza que decidi dedicar todo meu
tempo, minha vida!
- Lograremos um dia curar o Alzheimer, o Parkinson,
a demência senil?
- Curar... O que vamos lograr será frear, atrasar,
minimizar todas essas enfermidades.
- Qual é hoje seu grande sonho?
- Que um dia logremos utilizar ao máximo a capacidade
cognitiva de nossos cérebros.
- Quando deixou de sentir se feia?
- Ainda estou consciente de minhas limitações!
- O que tem sido o melhor da sua vida?
- Ajudar os demais.
- O que você faria hoje se tivesse 20 anos?
- Mas eu estou fazendo!!!!!

sexta-feira, dezembro 7

From real life and from reel life

The intuitive mind is a sacred gift and the rational
mind is a faithful servant. We have created a society
that honors the servant and has forgotten the gift.
Albert Einstein
We don't read and write poetry because it's cute. We
read and write poetry because we are members of the
human race. And the human race is filled with passion.
And medicine, law, business, engineering, these
are noble pursuits and necessary to sustain life.
But poetry, beauty, romance, love,
these are what we stay alive for.
Professor Keating (Robin Williams) in Dead Poet’s Society

quinta-feira, dezembro 6

Human Rights

No dia 10 de dezembro vai haver uma
blogagem coletiva pelos Direitos Humanos.
Foi no Plagiadíssimo que tomei conhecimento.
Foi no Fênix ad Eternum que combinei participar.
Aqui fica o convite a todos que assim quiserem fazê-lo.

terça-feira, dezembro 4

From Fernando Pessoa's 35 Sonnets


WHETHER WE WRITE or speak or do but look
We are never unapparent. What we are
Cannot be transfused into word or book.
Our soul from us is infinitely far.
However much we give our thoughts the will
To be our soul and gesture it abroad,
Our hearts are incommunicable still.
In what we show ourselves we are ignored.
The abyss from soul to soul cannot be bridged
By any skill of thought or trick of seeming.
Unto our very selves we are abridged
When we would utter to our thought our being.
......We are our dreams of ourselves souls by gleams,
......And each to each other dreams of others' dreams.

sábado, dezembro 1

It's not a chain...

... I just feel like playing a little bit with favourite stuff.

Then I thought of asking everyone who wishes to tell their
favourite books, songs, painters, bands, singers, whatever...

I, myself, thought of five ones for some of the above topics.

How about you, friends?
Can you keep within five? Or do you need more room?

My favourite 5 books are:


O Eu Profundo e Os Outros Eus - Fernando Pessoa

Fiction that could be real

Quando Nitzsche Chorou - Irvin D.Yalom


Bringers of the Dawn - Barbara Marciniak


Gota D'Água - Chico Buarque de Holanda


Women who run with wolves - Clarissa Pínkola Estés

My favourite 5 songs, in different languages, are:


O primeiro jornal - Elis Regina


Je ne regrette rien - Édith Piaf


When I'm 64 - Beatles


Sem fantasia - Chico Buarque e Cristina


Roberta - I don't know who sings it

My favourite 5 painters are:

Vincent Van Gogh

Toulouse Lautrec


Tarsila do Amaral

Claude Monet

I shall keep within these three topics.

And you?